À procura de um namorado sério

Em um relacionamento sério, você não tem apenas um namorado e amante para as noites de lua, mas também tem um companheiro para enfrentar os momentos difíceis, tomar decisões e apoiá-la. Com a intimidade concedida pelo namoro sério, o casal passa a dividir a vida. Dizer que tem uma namorada, uma noiva, tem um relacionamento sério, ou uma aliança, não é nada se não tiver a real convicção de sua importância, um contrato assinado em cartório não lhe dá nenhuma garantia de amor, o relacionamento verdadeiro nada mais é que um pacto de fidelidade, cumplicidade, lealdade, isso primeiramente deve estar em você, o pacto de que está sendo verdadeiro ... O Local Para Procurar Namorado. Pode parecer simples e bobo, mas o local para procurar um homem para namorar sério tem grande importância. Antes de mais nada, é importante que você tenha em mente um perfil de namorado que você acredita ser o ideal, o tipo de homem que você acha que seria interessante e bom para manter um relacionamento sério. Estou a procura de um homem que realmente queira algo sério, estou em busca de uma pessoa séria e espero que no meio de muitos desinteressados tenha um que queira compromisso. Sou nova tenho 27 anos, sou solteira há 3 an… A Procura De Namorado Desde 2007, que o KROOW ajuda pessoas... A encontrar alguém especial, trabalhamos diáriamente para que o KROOW seja um Site de Encontros extremamente seguro. No KROOW, pode conhecer pessoas novas que procurem uma simples amizade, alguém com quem conversar e passar o tempo, ou para algo mais sério. A Procura De Um Namorado Conhece Pessoas Novas - Registo Grátis - Site de Encontros - Encontros - Namoro - Relacionamento - Chat Portugal. ... Podes procurar alguém para Namoro, Encontros, Relacionamento Sério, ou apenas Amizade... Diverte-te a Enviar e a Receber Presentes Virtuais... e a Conhecer Novas Pessoas no Chat em Privado.

Íbis — Capítulo I

2019.07.09 12:18 lipherus Íbis — Capítulo I

Bom dia, é a primeira vez que escrevo em primeira pessoa e gostaria de opiniões. =)
“A voz dos deuses e escolhida de Thot. No começo, era apenas uma Oráculo. Depois, uma bruxa queimada na fogueira do deus pagão. Espírito vagante sem salvação. E agora, protegida pelo crepúsculo Retorna aos braços d’Aquele que sempre a amou. Sob as asas d’Ele, ela se abrigou. E descansou.”
O pequeno e singelo poema cortou o silêncio do salão. Eu estava trêmula e ofegante, pois estava atrapalhando a palestra do meu professor e a grande oportunidade de sua carreira. Os estudiosos olhavam para Heru e depois para mim, à espera de alguma cena dramática que não aconteceu. Ele apenas desceu do palanque e me alcançou, sorrindo e igualmente trêmulo ao tomar o papel de minhas mãos. Murmurou agradecimentos e disse estar surpreso com a tradução, porque aquelas palavras deixavam explícitas que os antigos egípcios eram capazes de prever o futuro. Prometeu uma conversa sobre o papiro depois e pediu que eu me retirasse, mas não sem antes me agradecer de novo. Ao fechar a porta, explodo em lágrimas emocionadas e cansadas. Traduzir o poema foi um trabalho árduo de quase quatro anos, para no final descobrir que Thot havia se apaixonado por uma mortal e enterrou seu corpo em uma tumba sem glamour. Ele queria que sua amada permanecesse anônima, mas que ainda soubessem a quem pertencia. Ela não tinha um nome e sequer corpo, todavia sua existência estava cravada nas paredes de pedra do sarcófago. Levanto-me orgulhosa e volto para o laboratório, à procura de mais pistas sobre os amantes. Havia algo que ainda não tinha visto nas marcas e, mexendo em alguns pertences, um pingente em forma de meia lua cai no chão. Não sou perita em metais preciosos, mas sei que seguro algumas boas gramas de ouro puro. Procuro por escritos no verso da peça, e nada encontro, salvo os hieróglifos que remetiam a Osíris e Thot. Um presente para o deus do submundo? Depois de catalogar o colar, volto minha atenção aos textos até sentir dor de cabeça e sentar na cadeira. — Nailah, o professor Heru te chama no salão de convenção. Engulo em seco e vou até ele, esperando uma bronca por ter interrompido a palestra. Porém, ao entrar, fui recebida por salvas de palmas fervorosas. Ele me abraça e pede que explique aos demais sobre a descoberta, já que o mérito da tradução é todo meu. Sinto um misto de vergonha e emoção, porque Heru não tomou os créditos para si e deixou que eu, uma mera assistente, falasse aos melhores profissionais do mundo por horas a fio. Ele ficou ao meu lado para explicar alguns termos que não conheço, simplificar perguntas e traduzir algum outro idioma que não entendo. Ao terminar, pude respirar. Estou tão cansada que é difícil manter os olhos abertos e pensar, mas eu ainda preciso falar com ele. Despeço dos outros por alguns minutos e Heru me abraça de novo, sugerindo um jantar antes de irmos para casa e dormir. Aceito e nós fechamos o laboratório depois de pegar algumas coisas. "Sob as asas d’Ele, ela se abrigou.” É engraçado como essa frase ecoa na minha cabeça quando estou andando lado a lado com Heru. Eu o conheço há quase dez anos e nunca deixei de me sentir protegida e iluminada por sua presença. Ele é alto e imponente, com a pele tão preta que é quase avermelhada, e olhos espertos e pretos. Mas, basicamente, Heru Monterrey é um cachorro grande e bonachão que ladra e não morde. É muito fácil deixá-lo magoado e à beira de lágrimas, se quer saber. E eu amo ver esse lado sensível e frágil do meu professor, pois o torna humano e acessível. Ninguém imagina que um pesquisador de renome como ele é coração mole. — Eu encontrei isso. — entrego o colar em suas mãos. — Estava perdido no meio dos papéis. Parece que é uma oferenda a Osíris e Thot. — Ou uma oferenda de Thot para Osíris? Coço a cabeça e suspiro. — Não tinha pensado nisso. — confesso. — Nailah, você está esgotada e eu acho que deva tirar umas férias. — ele toca no meu rosto. — Eu estou pensando em dar um tempo também, podemos viajar juntos. — Quem convida é quem paga, viu? — empurro ele com meu ombro e sorrio. — Seria uma bênção poder dormir até tarde. — Pode ficar com a lua. Pego o colar e olho pra ele, chocada. Sabe-se lá de quando é a oferenda e Heru estava entregando casualmente pra mim, como um pingente comprado numa loja qualquer. Abro a boca inúmeras vezes, mas nenhuma palavra decente sai dela e só me limito a levantar as tranças pra facilitar o trabalho dele. Heru me julga por um tempo, ajeita e mexe no colar até deixá-lo bem em cima do meu coração e ficar satisfeito. — Tem certeza? — murmuro. — Isso é da sacerdotisa e não quero que Thot venha me assombrar. — Se Ele deu pra amada d’Ele, acho que não ficará bravo se eu der pra minha, não acha? Abaixo os olhos, subitamente tímida. Nós sempre brincamos com nossos colegas, que consideravam-nos namorados, mas ele nunca falou tão sério quanto aquele momento. Mordo meus lábios e seguro sua mão, sem dar resposta, mas deixando claro que se aquele é o sentimento dele, então é recíproco. Às vezes palavras não ditas fazem mais efeito do que aquelas expressadas aos quatro ventos. — Comida japonesa? — Heru pergunta para quebrar o gelo. — Depois umas doses de anti-histamínico pra não morrer de alergia? — Combinado. Saber que ele é apaixonado por mim tanto quanto sou por ele fez um bem danado pra minha auto-estima. Se antes e em algum momento da minha vida achei que não era bonita ou capaz, estava completamente enganada. Ouvir dos lábios dele que minha inteligência e devoção foram fatores cruciais para que ele se interessasse, tornou-me tão inchada quanto um balão. Depois, Heru começou a enumerar minhas qualidades físicas e só parou quando eu estava com a cara quente e prestes a surtar. Eu sou brasileira e me orgulho disso. Meu país tem os problemas dele, assim como os Estados Unidos também têm, mas nunca pensei que estudar na Unesp ia me levar até onde estou. Lembrei das noites acordada estudando infindáveis textos, das vezes que quis desistir e da minha felicidade por ter sido aprovada na faculdade que ele dá aula. E passei a amar meu corpo em forma de pera, os cabelos trançados e coloridos e, acima de tudo, a cor da minha pele. Antes tinha um grande tabu comigo mesma, por ser preta e ter uma posição de destaque, mas conforme fui aprendendo na faculdade e com a vida, percebi que estar ali é um mérito do meu esforço triplicado. No final da noite, eu e Heru transamos e dormimos juntos. Foi o momento em que eu o vi mais vulnerável, conheci cada cicatriz de seu corpo, os problemas que tinha, as marcas... Tudo. Ele se entregou completamente e assim também fiz, mostrando-lhe as feridas que tenho da época em que me afundei em depressão e cortei meus braços e pernas. — Bom dia. — ouço seu preguiçoso resmungo enquanto ele aperta minha barriga. — Agora posso morrer em paz. — Quer parar com isso? — começo a rir e abro meus olhos. — Bom dia. — Eu sempre quis apertar sua, como é que você chama? Pança. — seu português falho é particularmente adorável. — Eu amo essas dobras, sabia? — Heru! Para, sua mão tá gelada! — Tá bom, tá bom. Permissão pro abraço? — Concedida, senhor Monterrey. Enquanto ele toma banho, vou preparando o café da manhã. É inconsciente, mas eu checo minha barriga e conto as dobrinhas, três no total, pensando em como Heru pode achar aquilo interessante. Ouço seus passos ecoando pelo corredor e me viro para olhá-lo, namorando a cena do homem enrolado na toalha e molhado ainda. Ele se aproxima e ajeita a lua, jogando as tranças sobre meus peitos para tapá-los e evitar que eu pegue mais friagem. Seguro sua mão em meu rosto e fecho os olhos, sorrindo como a trouxa que sou. — Vai querer viajar? — Onde pretende ir? — roubo um selinho dele antes de servir a mesa. — Não vai entregar o artigo científico sobre a tradução? — Não está escrito em lugar algum que sou obrigado a trabalhar durante minhas férias. — ele dispara. — Pensei em alguma praia, sei lá. — Negão desaforado. — acerto a colher de pau na cabeça dele. — Praia é muito clichê e eu não sou muito fã do frio. — Patroa difícil de agradar, viu? Sento ao seu lado e começo a rir. Ele está tão à vontade que até parecemos casados há eras, e eu só sinto que vou desmanchar de felicidade. Nós conversamos um pouco mais sobre a tradução e Heru corrige o inglês, reclamando do quanto sou ruim para escrever. Tal afirmação me ofendeu um pouco, já que escrevo fanfics durante minhas folgas e nem formado nisso ele é. Começo a julgá-lo em silêncio e ele percebeu que tinha me magoado, em seguida pediu desculpas atrapalhadas e disse que ama minha escrita. — Como você imagina Thot de personalidade, Nailah? — Meio parecido com você, mas muito mais apaixonado pelo trabalho. Ele foi um carinha muito ocupado, até ajudar Osíris no submundo ajudou. — acendo meu baseado e deito no sofá enquanto Heru escreve no computador. — Curou o olho de Hórus quando Seth arrancou, depois ensinou magia para Ísis poder reviver o marido, luta contra Apófis quando Amon-Rá traz o sol... Tudo isso e ele ainda fez o calendário e desenvolveu os hieróglifos. — Você tem uma admiração enorme pelos deuses, hum? — A mitologia egípcia é linda, se me permite dizer. Tudo é tão conectado e diferente ao mesmo tempo... A gente não sabe nem um terço do que eles acreditavam e criavam. — E a sacerdotisa? — Não tenho uma imagem dela. — ofereço o cigarro pra ele. — Mas deve ser alguém de personalidade parecida com a de Thot, porque ela pegou o cara pelo colarinho mesmo. Uma pena que não seu nome em lugar nenhum, ia ser muito interessante conhecê-la melhor para entender como funciona esse lance de deuses e amores mortais. — Você viu isso? Sento no colo dele para ler o artigo de um colega nosso, o qual afirmava que Sekhmet e Anúbis tinha um relacionamento secreto. Para mim e meu conhecimento, a afirmação é errada pois eles eram deuses sem sintonia alguma. Ela é a deusa da guerra, tão furiosa que Rá precisou enganá-la com vinho para acalmar seu frenesi sangrento. Já ele parece ser mais pacato e melancólico, servindo fielmente ao propósito do julgamento da pena e à proteção da mumificação. Parecia impossível imaginá-los juntos. Ao terminar de ler, porém, comecei a ter minhas dúvidas sobre o que conhecia até então. — Será que existe algum documento que prova essa teoria? — Antes de Osíris ser quem é, Anúbis tinha o mesmo papel que ele. — Heru contestou ao soprar a fumaça na minha nuca. — Se Sekhmet matou os homens através de sua ira, é bem provável que tenha o encontrado durante a caminhada. — Mas tem uma teoria que diz que Sekhmet é uma face de Hathor e Bastet... Será? — Em Mênfis, ela foi esposa de Ptah e mãe de Nefertun até Mut e sua Tríade tomar lugar e ela passar a considerada como a própria Mut. Nossas informações são bem escassas e temos várias ideias do que pode ou não ser. Cada região tinha seu próprio mito, quem sabe o Richard esteja certo e apenas olhando para outro lugar que não vemos? Deixamos a discussão pra lá quando pegamos fogo levados pela maconha. Quando paro pra pensar nisso, me sinto um pouco culpada por levá-lo ao mau caminho, apesar dele ser bem mais velho que eu. Mas a erva funciona como uma válvula de escape para nós e não é algo que fazemos sempre, resumindo nossas brisas às escavações e trabalho. Pela primeira vez desde que fazemos isso, é que nos preocupamos em elevar a coisa para um nível mais pessoal e físico. Eu namoro o rosto distraído dele e lembro de tratar os arranhões que deixei em suas costas, ouvindo-o dizer coisas em árabe que não fazia nem questão de traduzir. Heru levanta-se num supetão e vira o meu colar, anotando os hieróglifos em um papel improvisado e resmunga ao voltar a deitar. Já sei que tenta entender a oferenda e pronuncia as palavras em sequências variadas, até fazer sentido. Toco em seu lábio para fazê-lo se calar e me aninho em seu abraço. Só hoje, querido, não falemos em trabalho. Roço meu nariz por seu rosto quadrado e reclamo da barba áspera, mas sinto-me protegida por seus braços e mãos sempre geladas. Heru beija a minha testa e desenha com os dedos na minha bunda, me fazendo rir. Ele se lembra de me agradecer pela tradução de novo e mais outras vezes, reforçando o quão honrado se sentiu por me ter como sua assistente, amiga e agora parceira. Confessa que estava a um passo de desistir do texto e eu, novamente, rogo-lhe que não falemos de trabalho. Mas meu amado professor não está contente e me implora para que façamos um artigo sobre Thot e sua amante ao voltarmos de férias.
submitted by lipherus to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.02.27 15:29 CuteCockroach Me apaixonei por uma pessoa que eu saí só uma vez

Olá, obrigado por se interessar em minha história! É um pouco longa, então deixarei um resumo no final para aqueles que não queiram ler tudo.

Vamos lá!

Eu nunca fui uma pessoa que tinha facilidade para conhecer gente. Como um nerd de 5ª categoria, eu sempre fui bastante tímido e nunca escondi isso, até porque é difícil esconder timidez: você tenta parecer autoconfiante mas acaba extrapolando e passando a imagem de uma pessoa que você não é e chega a assustar a pessoa com quem está conversando.
Há alguns anos, com a chegada de aplicativos de "paquera", eu consegui conhecer algumas meninas. Mas nunca deu em nada. Tive alguns projetos de namoro mas que eventualmente se desfizeram, por N motivos.
A vasta maioria das meninas que conheço nesses aplicativos são pessoas que parecem que "demandam" a responsabilidade diretamente minha de ser o agente "puxador de assunto". Ficam quietas e respondem objetivamente, sem perguntar o mesmo para mim (por exemplo "qual filme você mais gosta?", e essas perguntas bem clichês no começo de um papo; e/ou então não dão espaço para surgir um assunto em cima do que eu falei. E a conversa fica rasa, chata e não vai pra frente. Até que semana passada eu acabei conhecendo uma menina que foi diferente de todas: ela puxava assunto, perguntava como foi meu dia (isso conta muito para mim), perguntava sobre mim e demonstrava interesse no que eu dizia. Como disse Jim Carrey no filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças: "Por que eu me apaixono por toda mulher que eu vejo que me dá o mínimo de atenção?". Seu nome irei omitir, mas chamaremos ela de Fulana.
E assim fui conversando algumas noites com Fulana. Conversamos por cerca de 3 a 4 dias, até chegar na sexta-feira e ela me lançar o desafio de assistir três episódios de uma série no Netflix que, caso eu não gostasse, ela me pagaria um cinema para devolver as horas que eu perdi assistindo os primeiros episódios da série. Se eu gostasse, eu pagaria. Bom, eu assisti, e eu gostei. Não muito, mas eu gostei. E para faze-la feliz, eu disse que achei bem legal e que ela ganhou a aposta/desafio. Num papo descontraído umas horas antes, ela perguntou o que eu procurava no app e eu disse que procurava algo sério, uma parceira e etc., e ela disse que não estava a procura disso: que ela havia terminado um namoro havia pouco tempo e que queria apenas conhecer gente. Se rolasse algo, rolou. Não era do controle dela.
Pois bem. Marcamos o cinema para o sábado passado e, na minha cabeça (e pelo que ela deixou entendido) seria apenas um cinema e depois tchau e bença, cada um para seu canto.
Fomos para o shopping e quando a vi, a primeira impressão foi muito boa: ela era muito mais bonita do que nas fotos, e o sorriso dela era maravilhoso. Nos cumprimentamos e fomos em direção ao cinema. Conversamos um pouco e eu brinquei bastante com ela (porque, como eu disse, ela é o tipo de pessoa que dá espaço para que eu seja mais solto), até entrarmos na sessão. Durante o filme, algumas brincadeiras e risadas antes do filme começar e, quando começou, eu fiquei sério, pois eu gosto de prestar atenção ao filme. Ela, por sua vez, não estava muito entretida com o filme, era nítido (ela chegou até a falar quase no meio do filme: "agora sim esse filme começou a ficar legal"). E, chegou uma hora que ela deitou em meu ombro. Alguns minutos depois, ela segurou minha mão... Ela estava sendo a ativa. Eu arrisquei e a beijei: ela correspondeu. Dali para frente o filme foi praticamente esquecido.
Quando o filme acabou, já era 23h. Perguntei a ela: "Quer fazer mais alguma coisa, ir a algum outro lugar?", e ofereci ir a um Rock Bar que estaria com o cover da minha banda favorita tocando. Ela, para a minha surpresa, aceitou sem pestanejar. Entramos no carro dela e fomos até o bar. Chegando lá, ficamos conversando bastante, além de curtir a música e trocar vários beijos. Em uma de nossas conversas, ela falou bastante de como foi o seu relacionamento passado... Que namorou por quatro anos e foi o primeiro homem com quem ela teve qualquer coisa. Ele foi a primeira experiência dela com tudo. Ela não falou especificamente dele, mas sim do relacionamento. Eu não vi quaisquer problemas com isso, pois todos tivemos experiências na vida e cabia a mim apenas respeitar o passado dela. Eu sabia que ela não queria nada sério, até porque também era a primeira vez que saíamos (e ficamos) e tinha bastante chão ainda.
Em determinado momento de nossa "pegação" durante o show no bar, ela me disse que ainda bem que estávamos em local público, pois ela estava "muito excitada" e não iria se controlar.
Ao acabar o show, já era 5h da manhã, e fomos para o carro dela para irmos embora. Ela morava cerca de 1h30 de onde eu moro e, para não faze-la ter que me deixar em casa e depois andar de madrugada sozinha até em casa, sugeri que fossemos até a rodoviária da cidade dela de lá eu pegava o ônibus para a minha. Ela aceitou, e fomos. Porém, chegando lá na rodoviária, ao nos despedirmos, começamos a nos beijar novamente e as coisas esquentaram. Esquentaram bastante. Não acabamos transando, mas chegamos perto. Depois de finalmente o sol raiar, e ficar impossível de prosseguir com qualquer coisa no carro, eu sugiro a ela irmos a um Motel perto de minha cidade e que era meio caminho para a dela. Assim, a gente ficava mais um tempo juntos e não seria uma localização ruim para os dois.
Chegando no Motel, aconteceu o óbvio: transamos. Mas foi um sexo diferente de qualquer outro que eu já fiz na minha vida. Parecia que eu a conhecia há muito tempo, e tivemos uma conexão muito forte... Reflexo talvez de toda a noite agradável e descontraída que tivemos. Tive um desempenho como nunca antes tive: durando bastante e "pronto para a próxima" num tempo bem curto. Até que, em determinado momento enquanto descansávamos abraçados, ela soltou: "te amo". Eu, por dentro, queria dizer "eu também". Mas eu não sabia o que dizer e, para me certificar, eu perguntei: "sério?". Ela entrou em desespero e pediu mil desculpas. Falou que era porque estava "acostumada" a apenas transar com o seu ex e que falou sem pensar. Eu entendi e fingimos que nada aconteceu. Mas, o dano estava feito havia várias horas: eu estava apaixonado.
Dado o tempo do motel, fomos embora e ela me deixou na estação de trem para que eu fosse para minha casa e ela seguisse rumo à dela. Ela então me chamou no WhatsApp (porque antes só nos falávamos pelo app) e então ficamos mais próximos e conversando mais facilmente. Ela não poupou elogios a mim, disse que foi incrível e que não esperava que o encontro fosse tomar as proporções que tomou (nem eu esperava), que iria acabar no cinema. Eu fiquei muito feliz com ela, e procuro pensar que ela também estava muito feliz comigo. No mesmo dia, perguntou se tudo bem ela dizer que estava com saudades, e eu disse que sim, pois eu também estava. Ela se mostrou aliviada. O nosso desejo um com o outro era nítido: nós dois nos demos muito bem, e ela não poupava elogios a mim e ao quanto eu poderia ser uma pessoa melhor (pois ela notou que eu tinha problemas de baixa auto-estima e confiança). E, é claro, isso só corroborava com o fato de eu estar apaixonado por ela: uma pessoa que eu conheci haviam poucos dias, e saí apenas uma vez.
Eis que, ontem, terça-feira, ela ficou estranha de uma hora para a outra. Eu achava que era apenas o trabalho dela que estava pesado, e relevei (até porque eu não poderia cobrar atenção dela). Mas, ao chegar em casa, ela estava muito seca. Quando perguntei se ela estava melhor do mal estar que ela disse que estava sentindo no começo do dia, ela disse "mais ou menos, mas não se preocupe, não estou merecendo". Eu estranhei, e perguntei porquê. Ela disse que "não mereço porque você é legal, e eu não". Eu gelei na hora. Já ouvi essa frase uma vez e sabia o que seguia depois disso. Era quase certo que ela iria me dispensar... E eu acertei. Ela disse que o ex-namorado dela havia ligado para ela no serviço e eles discutiram bastante, ela chorou. E no final da conversa ela concordou com algumas coisas que ele disse.
Ela falou que mentiu quando disse que estava solteira tinham 3 meses: ela estava solteira haviam 9 dias. Que ela tentou por muito tempo levar o namoro adiante mas não funcionava... E ela disse o seguinte:
Depois disso a gente se viu de novo e eu falei que amava ele....ele disse que eu sou falsa de dizer isso e sair com outro 9 dias depois
Parece que ela acabou encontrando o ex namorado.
Resumindo... Ela me "dispensou". Eu tentei acalma-la tentando tirar todo o peso que ela tava colocando sobre si, falando que ela não prestava e que era uma vagabunda (palavras dela) e chorando horrores, mas a cada frase que eu mandava tentando faze-la se sentir melhor, parecia que ela me atacava. Então eu desejei a ela que encontrasse paz e fosse feliz, e que eu estaria ali para ela caso ela precisasse. E não nos falamos mais.
E é isso... Eu me apaixonei por uma pessoa que me deu o mínimo de atenção e me bajulou por alguns poucos dias. Mesmo eu sabendo que ela tinha saido há pouco tempo de um relacionamento, eu estava disposto a tentar. Só não sabia que era tão pouco tempo e que ela estava frágil. Agora estou de coração partido, sabendo que não encontrarei outra pessoa que se conecte comigo como foi com ela, e serão mais vários e longos meses até eu conhecer alguém que seja pelo menos 1/3 do que ela foi para mim.

TL;DR: OP é tímido e conheceu uma menina via app que o fez feliz por alguns dias. Ela logo dizia que estava para "o que vier" pois acabara de terminar um relacionamento de 4 anos havia poucos meses, e o OP queria algo sério, e foram se encontrar. No primeiro encontro, foram ao cinema, cover de sua banda favorita e acabaram o encontro no motel. A menina disse "eu te amo" durante o motel, mas foi "sem querer". O OP se apaixonou pela menina pois ela foi encantadora e uma ótima companhia, e as coisas pareciam caminhar mas dois dias depois o ex-namorado dela ligou para ela no trabalho e ela discutiu, aparentemente se encontrou com ele e disse a ele que ainda o amava (mas não sabia ao certo). A menina teve uma crise, falou que não quer isso para ela e nem pra mim, e "terminou" tudo. OP está devastado pois há muito tempo não conhecia uma menina que o fez bem assim e agora está bem triste.

Obrigado a todos por terem lido minha história!

submitted by CuteCockroach to desabafos [link] [comments]


2018.06.18 14:05 lgustv Fui traído pela namorada

Peguei uma conversa dela do chat do LoL (por incrível q pareça)
Ela: Oee mb
Ele: tudo bem gostosa ? quanto tempo
Ela: to sim e vc? Acabando aqui (a partida de LoL)
Ele: eu como sempre né? Vontade de fuder contigo, famoso jiraya querendo ver minha tsunade <3 gostosa
Ela: KKKKK hahahahahhahh q meee adoro
Ele: se falar que eu não fiquei de pau duro pensando na "surpresa" (algo que eles provavelmente conversaram em uma call) mentiu
Ela: a surpresa é que eu vou tirar qualquer foto que vc quiser
Ele: jura? Qualquer uma? Olhe lá kk
Ela: sim kkkkkk
Ele: será que vc consegue tirar uma foto de 4 pra eu ver seu cnho e sua bu**nha? <3
Ela: Posso tentar
Ele: meeeeee(linguagem de retardado) to até imaginando como <3 <3
Provavelmente após esse diálogo eles entraram em uma call, e depois entraram no WhatsApp.
Nós estávamos juntos há 4 meses, e ontem após uma discussão por um motivo deveras peculiar:
Ela me chama um cara que eu nunca vi na vida pra uma festa interna nossa entre os amigos (que provavelmente nem é o punheteiro do LoL), sequer me avisou que o cara iria, bem como eu nem ao menos nem sabia da existência deste ser. Num primeiro momento eu fiquei de boa, mas quando vi ela toda solicita com ele (coisa que já não era comigo há tempos), chamei ela de lado e perguntei em tom agressivo (pq eu já estava muito puto com a situação, já que nem eu, e nem os nossos amigos não estavamos entendendo nada) se ela estava de "sacanagem com a minha cara".
Após isso, pela primeira vez, nós brigamos feio (eu ainda nem sabia da existência dessas msgs no chat do LoL).
Detalhe: eu não a agredi em nenhum momento, mas ela me deu um soco e tentou partir pra cima de mim, pq segundo ela o "errado" era eu.
Um amigo meu me segurou no quarto, tentando por minha mente no lugar, até que consegui me acalmar.
Liguei algumas vezes para ela pra tentar conversar, porém ela não atendia nem a pau, até que uma hora ela atende, e diz que está com o cara, o que me deixa mais puto ainda, pois, o pessoal pra amenizar a situação havia me dito que ela tinha saído sozinha (fizeram isso pois tentaram me "proteger", segundo eles)
Fiquei esperando, na casa dela (onde estava tendo nossa festinha), e como todo mundo já havia ido embora, fiz algo do qual sinceramente não sei se me arrependo; Liguei o PC dela, fui entrar no Facebook, mas como o dela já estava aberto, e eu já estava semi-possesso, dei aquela stalkeada "premium". Peguei uma conversa dela com um otário virjão lá, que não fazia nada além de fazer umas perguntas idiotas relacionadas a sexo (que ela respondia até que com certa energia).
Não me importei muito, até pq eu sei mt bem que quando se procura... Infelizmente (ou o contrário disso), se acha até o que não se deve.
Essa conversa com o cara do Facebook, até que poderia ser justificada, não havia nada de muito obsceno, mas minha mente queria mais.
Há um tempo atrás ela me emprestou uma conta do LoL, e eu via que ela estava jogando com muita frequência nessa conta, eu mandava msg chamando ela pra jogar, mas ela ignorava, ou dizia que "não havia visto a msg". Pois bem, resolvi entrar nessa conta, e o resultado é esse chat ai, de 8 dias atrás.
Nós nunca havíamos brigado, estava aparentemente tudo ok, já que ela me fazia sentir bem seguro quando demonstrava seus ciúmes, quando era carinhosa e quando conversávamos com certa empolgação sobre algo.
Comecei a notar seu comportamento estranho há cerca de uma semana, quando ela simplesmente já não tinha mais vontade de jogar comigo no LoL, e evitava algumas msgs no whats (nem via, nem respondia e alterou a última visualização para mostrar somente quando estivesse online), mas como eu só queria dar espaço, e não ficar correndo muito atrás pq, realmente, é muito chato, levei nossas conversas com reciprocidade. Eu só mandava msg quando via que ela estava afim de cvs ou algo do tipo, já que nós nos víamos praticamente dia sim e dia não.
Ontem a noite mesmo, após ler essas mensagens, fui embora pra casa e mandei as Prints dessa conversa no chat do LoL pra ela pelo whats, e falei tudo o que vocês já devem imaginar. Ela estava alterada (bêbada), e começou a mandar áudios chorando, dizendo que iria se matar, que tinha se cortado, que tinha estragado tudo. Eu disse que já tava tudo de boa que conversaria com ela dps, mas ela retrucava dizendo que "fodasse, eu mereço morrer" e que eu era uma pessoa maravilhosa e etc.
Ela tem depressão, e todos sabem disso, pois até tratamento psicológico ela fazia (parou), e ela toma uns remédios tipo Rivotril. Por esse motivo, pra evitar algo de ruim, eu fiz ela acreditar que estava tudo bem, e que nos iriamos resolver isso (estilo aquelas trolagens de cuckao do YouTube) e acabar juntos. Ela acreditou, e parou de fazer alarde pra chamar atenção.
Enfim guys, é isso.
Eu nunca tinha namorado (tenho 23), e para ser sincero, eu já maginava que isso poderia iria acontecer comigo, mas não imaginava que seria tão cedo, e não com ela. :/
Eu fiquei de passar na casa dela hoje pra conversar, mas eu realmente não sei se essa é a melhor opção, pois eu estou bem triste mesmo, estava realmente gostando dela ...
Pra que vocês entendam melhor, a princípio, assumimos uma relação sem compromissos (como o de um namoro), mas após algum tempo juntos ela mesma me pediu em namoro (isso que me fez mudar de atitude em relação a nós dois, pois eu realmente comecei a levar a sério)
Sabe cara ... Por que as pessoas fazem isso né ?
Sei que é um comportamento típico do ser humano, mas po ... Se você não quiser nada sério com uma pessoa, não assuma relacionamentos. Não diga que ama/adora. Simplesmente seja honesto(a) com a pessoa, e diga que não ta rolando mais, ou pede um tempo.. Sei lá ...
Eu realmente só gostaria de entender o que tem de tão "Cool" em trair outra pessoa. Por que as pessoas fazem isso ? :/
TL;DR: A minha (ex) namorada me traiu com algum punheteiro de LoL, e eu não to bem.
submitted by lgustv to brasil [link] [comments]


2016.07.18 14:45 999Luzeiro A praia está perdida

publicação original no Medium
Eu sempre subi àquele terraço em dia de festa. A arquitetura brutal, o piso grafite e a irremediável falta de uma paisagem que preste (comum à capital, aliás), jamais foram capazes de reduzir a alegria que sinto ao visitar minha única irmã. Percebo, desta vez, que o luto se expressa pelas varizes nas paredes que rodeiam a escada, no metal frio e azedo do corrimão e, finalmente, na sensação de pisar em um cinzeiro proporcionada pelas placas erodidas do piso. A feiura é oportunista, e no dia de hoje, saiu em carnaval.
Lá estava o meu cunhado, abaixo de uma das pontas do varal, investigando pelos espaços vazios do gradeado uma possibilidade de escorrer pelas paredes externas do prédio de nove andares. “Você comeu, Felipe?”, foi o meu único cumprimento possível, e “Hum, comi” foi a única resposta que lhe pareceu honesta. É claro que comeu — alguma vez na vida — mas duvido que tenha tido estômago para reiterar tão prazeroso e exigente hábito, hoje. Hoje não, pois o meu cunhado, marido da minha única irmã, perdeu o único filho. Meu único sobrinho e afilhado. Minha dor não é pequena, mas no topo do pódio da orfandade inversa, temos a minha irmã, coroada de espinhos e de cama há dois dias. Em seguida, Felipe Remador, estático no terraço em pleno inverno e com o estômago vazio. Talvez eu em esteja em terceiro lugar, junto com a namorada do Léo, não sei. O que sei é trago as notícias, como um relâmpago invisível que transformará os tímpanos do ouvinte em peito.
“Escuta, Felipe.” E descrevo como um apresentador de telejornal excessivamente soturno o desdobrar dos fatos do dia: encontraram o corpo preso ao recife, poucas escoriações, a causa mortis foi mesmo o afogamento, está tudo acertado para o enterro amanhã, no Parque da Colina. Falei com a mãe da namorada, ela não vai, está em choque. Aquele menino, Raul, ainda não voltou a Belo Horizonte. Me ligou do celular do Léo, estava com uma voz tenebrosa. Está tudo pago, não se preocupa. Eu estou muito bem empregado e não é hora de falar disso. E dou sequência, como ventania: “Preciso te contar uma coisa, Lipe, o Léo me ligou no dia anterior ao sumiço, e a conversa estava mais estranha do que de costume…”
“Eu comi, sim. Tem macarrão, se você quiser.” E me corta como se nos falássemos pela internet, com enorme atraso. E começa a me contar do filho: coisas que eu já sei, mas só me resta ouvir mais uma vez.
Leonardo Remador nasceu com o cordão umbilical em volta do pescoço, sem choro e nem desespero. Nasceu sorrindo. O obstetra achou que estava se contorcendo pelo sufoco, mas não: era um sorriso mesmo. “Esse é forte, corajoso” — daí ‘Leonardo’ — disse, para encher o pai de orgulho, enquanto a enfermeira entregava o Príncipe aos braços da mãe. Era um Príncipe, quase enforcado, porém um Príncipe, como são todos os recém-nascidos após a Proclamação da República. Não parava de se mexer e olhar ao redor, como se procurasse por mais um corda para se amarrar, e se apertar.
Começou a andar com oito meses (o que o pediatra considerou um recorde) mas o pai já reparava que muito antes o guri já ensaiava ficar de pé. Era uma brincadeira nervosa: apoiava-se nos joelhos e esticava as pernas trêmulas, e em dois segundos caía. “Toda criança faz isso”, diz o pediatra sem querer estregar o encantamento do recém-pai. “Não”, continua Felipe, “ele não cai e chora. Ele cai a dá a maior gargalhada. E se levanta e se joga de novo. E ri. Se já soubesse falar ia chamar isso de ‘brincadeira da gravidade’, sei lá”. E descreve a forma como o filho olha para baixo ao cair, como se quisesse testemunhar cada segundo do trajeto. “Às vezes o Léo tem um senso de humor maior do que o das outras crianças”, desconversa o jovem doutor, voltando os olhos adestrados ao monitor adestrador do computador.
Aos cinco anos chorava e dava escândalos quando o pai se negava a dar uma volta de motocicleta com ele pelo quarteirão. Quando o seu desejo era atendido aos finais de semana, voltava para casa dócil e calado, prestes a cair no sono e recompensar os pais com o silêncio que o casal tinha antes do Príncipe ter vindo ao mundo.
E ele foi ao mundo: no futebol, só jogava como goleiro pois nas outras posições não podia atirar-se pelos ares e havia menos risco de levar uma bolada na cara. Na natação, perdia as instruções do professor por se interessar mais pela apneia. Se deu melhor nas artes marciais, para o desespero de sua mãe que não suportava ter que aplicar curativos duas vezes por semana. Finalmente, na puberdade, a coragem e o senso de humor exagerado tornaram-se insuportáveis. Gostava de provocar o pai pelo simples prazer de escutar sua voz engrossar e ameaçá-lo. Sentava-se na janela para ouvir música e balançava-se para frente e para trás em um ângulo cada vez menos agudo, cantarolando sossegado até que a mãe o via do corredor e gritava de susto. Só se interessava pelas garotas que já tinham um namorado, e aos treze anos voltou para casa com um olho roxo e os lábios rasgados por roubar um beijo de uma garota mais velha que estava a dois metros do cara mais velho ainda que a namorava. Os pais concordavam que aquilo não era rebeldia pois sempre que aprontava alguma o adolescente passava os próximos dois ou três dias obediente e calmo. Ele tinha ideias que beiravam a burrice e após um longo ano de acidentes e notas baixas, foram atrás de especialistas, pois o primeiro médico que o tocou estava mesmo errado. Leonardo, segundo o psicólogo, era um bom rapaz, mas era melhor ir ver um psiquiatra. O psiquiatra — que por curiosidade saltava de para-quedas nos finais de semana — também não viu nada de errado no garoto, mas por via das dúvidas, recomendou um amigo neurologista. Após mapear o cérebro de Léo, confirmou a boa saúde mental do rapaz, mas seguiu uma pista em sua circulação sanguínea nos exames de rotina que o levava a crer que o nível de adrenalina era muito mais alto do que o normal. Com a ajuda de um endocrinologista constaram que a coragem de Leonardo era na verdade uma doença rara em suas glândulas renais que produziam uma quantidade excessiva daquele hormônio, viciando das íris aos pulmões, passando pelo coração e todos os músculos. O pai teve que vender a moto e um carro, mas pagaram o tratamento e aos dezesseis Léo já não andava mais com sua bicicleta sem freios pelo bairro. Apesar de não ser dos mais espertos ou um dos mais bonitos, tinha um talento único com as mulheres, já que a possibilidade de rejeição o atraia, coisa que não existia em homem algum. Aos dezenove, arrumou uma namorada sem namorado, Júlia, e achava o máximo quando a menstruação dela atrasava alguns dias, e é claro que não era nem um pouco favorável ao uso de preservativos. Dizia apenas que era uma pessoa simples e que gostava das diversões curtas pois a vida, em si, era mesmo curta. Raul, um dos seus amigos mais antigos, ria e dizia que o problema é que os momentos simples de Léo poderiam encurtar a vida mais ainda. Era grato ao parceiro, pois mesmo sem se interessar por um baseado, Léo era o único disposto a entrar com ele nas favelas para comprar aquele mato amassado.
Apreensivos, os pais viram o garoto tirar a carteira de motorista. Nenhum problema, a não ser as multas por excesso de velocidade que eram pagas pelo próprio rapaz, que se virava na papelaria do pai do Raul. As pessoas que conviviam com ele acabaram se acostumando e até mesmo os pais deixaram de se preocupar tanto e esqueceram que “o jeito dele” era um problema sério. Júlia, segundo um psicanalista freud- ou junguiano (precisamos diferenciar charlatões?), no fundo morria de tesão por caras irresponsáveis, Raul (nas palavras de uma pedagoga do Ensino Médio) também não era exemplo de comportamento e assim Leonardo tocou sua vida abusando da sorte.
Acontece que, mineiro que era, Léo poucas vezes foi ver o mar, e só o fez ao lado dos pais, que não gostavam muito de areia. Aos vinte e um foi ao litoral capixaba com Júlia, amigos dela e o tal do Raul. Uns dois ou três dias antes da data da volta para casa, Léo me ligou. Ouvi o pequeno trip journal que, não sei porque, decidiu me contar ao custo de todos os créditos do seu pré-pago. Começa bobo e vai escurecendo, como a apresentação de um palhaço trágico, e eu me arrependo de não ter anotado algumas partes, ou gravado a conversa toda.
Em janeiro, o sol derramava-se do alto e refletia na areia e no mar, queimando sua pele branca e agredindo seus olhos não muito escuros. Gostou daquilo, mas logo à frente estava algo que o seduzia muito mais, o próprio mar. Não entendia como tantas pessoas aguentavam ficar o dia inteiro sentadas em cadeiras de plástico bebendo e comendo ao redor dos quiosques sem nem se aproximar das ondas. Logo no primeiro dia, subiu com Raul em um morro baixo com os pés descalços e sentaram-se em rochas negras que um dia formaram um coral. Enquanto o amigo apertava um, viu uma mulher alta e bronzeada, de cabelos morenos e músculos bem definidos mergulhar nas águas e nadar por quatro minutos, sem parar, traçando uma linha quase reta. Ao distanciar-se da praia, as ondas tornaram-se maiores e algumas pessoas já acenavam para que ela voltasse. Desapareceu atrás das ondas por alguns segundos, e, depois, sorrindo, nadou de volta como se estivesse em uma piscina rasa. Gostou daquilo.
Nadou com Júlia um bom tempo pela tarde, sem se arriscar de mais. Toda vez que olhava para a linha do horizonte, se distraía a ponto de deixar de escutar o que a namorada falava. Lembrou-se de como aquela morena conseguiu ir tão longe com tanta calma. Gostou daquilo, mas gostou de mais. À noite, após uma bebedeira na casa dos pais de um dos amigos de Júlia, Léo teve sonhos agitados. Quando acordou, lembrou-se de três: primeiro, mordia o cano de uma arma de fogo que um homem encapuzado que apontava para sua cabeça, rindo da falta de coragem do assaltante em disparar. Em outra situação apontava para a namorada que trocava de roupa, mostrando para Raul. Por fim, sonhou que nadava no fundo de um lago e respirava normalmente embaixo d’água, sem precisar voltar à superfície.
Saiu sozinho para comprar pão e o que mais precisassem. Como em qualquer cidadezinha do litoral do Espírito Santo, encontraria uns cinco botecos para cada padaria ou mercearia — se a mercearia vender cerveja, não sei dizer como ficaria a conta, mas enfim, por uma questão estatística decidiu tomar uma antes de cumprir a sua missão de levar comida à namorada e aos amigos.
Ao final da primeira garrafa daquela cerveja fraca mas bravamente gelada, Léo olha em volta e percebe a presença da nadadora alta e morena. Não a tinha visto ali, sozinha na outra ponta do balcão, que era em éle e permitia tal ponto cego. A moça olhava para ele e achava graça da miserável atitude do menino de quase torcer a garrafa que já havia acabado. Ofereceu a sua, cheia, e lá vai Léo conversar fiado com uma mulher linda e aparentemente solteira ao invés de levar pão para a namorada. “Ela achou o meu sobrenome o máximo, tio. Disse que eu devia nadar muito bem, porque, ‘Remador’, né. Mas já devia estar bêbada. Achava graça de tudo. Meio doidinha, acho que não estava me dando mole, só tentando escapar de um cara lá que não parava de mexer com ela. Mas eu não vi o cara. Eu estava tranquilo também, cê sabe que eu gosto muito da Júlia. Mas então, cê lembra daquela menina que nadava comigo na equipe da escola? Você já deu carona pra ela. É a cara, tio. Eu pensei que fosse ela.” Tirei o celular do ouvido para ver o tempo da conversa no display. 52 minutos. E o menino não parava de falar. “Vai comprar o pão, ô sem vergonha.” E ele me obedeceu e desligou.
Olha, apesar dos quarenta e poucos, eu sou um homem bonito. Na verdade, eu sempre fui. E mesmo assim, uma morena dessas nunca me abordou em boteco copo sujo de praia. Só uns tios e uns hippies para me pedirem o isqueiro. E eu adoro morenas, Léo.
Léo.
O que aconteceu com você? O Raul me contou de uma briga com um rapazinho local — aliás, eu preciso achar o Raul — e agora as hipóteses florescem na minha imaginação, que não tem sono desde o contato da polícia.
Passaram os próximos dias longe da praia, fazendo trilhas e visitando os arraiais à procura de festa. Com Júlia sentada em seu colo (eu só via vocês nessa posição, encaixavam bem, até), estava em um boteco ao lado da praça da igreja de uma vila. Bebiam cerveja e viravam doses de cachaça da pior qualidade enquanto um forró soava indecifrável abafado pela voz de umas dezenas de pessoas que ocupavam as calçadas. Foi surpreendido por um grito de Raul que levantava a voz para um adolescente, prestes a agredi-lo. Pediu para Júlia levantar-se, a garota não atendeu imediatamente e quase foi derrubada no chão por um homem de sorriso estranho que até o minuto anterior era o namorado que com carinho passava as mãos quentes em suas pernas. A coragem imbecil que custou um carro e uma moto ao pai de Leonardo agarrava o adolescente pela nuca e bateu o rosto do rapaz com força em um banco de madeira e ferro da praça. Enquanto o sangue corria, alguém acertou uma cadeira nas costas de Léo, enquanto três ou quatro homens mais velhos corriam atrás dele, que escapava. Sumiu no mato, rasgou a perna esquerda nos galhos (uma das escoriações não era de coral, mas aparentemente de vegetação rasteira) e encontrou uma estrada de terra que seguiu por mais de uma hora caminhando devagar, sentindo seu corpo em chamas por conta do coração que parecia ter dobrado de tamanho.
Não sabia o motivo da briga de Raul e nem se importava. Também não se importava da grosseria com a namorada e nem com o fato de que provavelmente alguns homens o perseguiam em uma caminhonete, moto ou jipe com pedaços de pau ou uma pistola semi-automática embaixo do banco. Exausto, alcançou a praia. Sentou-se na areia e viu o sol nascer, vermelho como se estivesse se pondo. Realmente, o sol se punha para você, meu afilhado. Viu uma pessoa caminhar onde as ondas quebravam, chegou mais perto e reconheceu a mesma mulher de cabelos negros que viu no primeiro dia no litoral. A do bar (que… coisa é você, mulher? Shinigami?). Ela ignorou sua presença e mergulhou, nadando mais uma vez em ritmo forte e veloz, até desaparecer na espuma de uma grande onda que quebrou prematuramente. Mergulhou também. Seu corpo em chamas mal percebeu como a água estava gelada. Nadou em compasso olímpico esticando todos os seus músculos, estirando seus pulmões, sugando todo o ar salgado que havia em quilômetros cúbicos. Sem parar as braçadas, abriu os olhos e viu que a mulher nadava ao seu lado, fechou os olhos que ardiam com o sal e quando abriu de novo, ela já não estava mais lá. Quando finalmente parou, viu que ela voltava, derrotada e humilhada pelo novo recordista daquela praia.
Enquanto a água esfriava, olhou para o céu e ficou finalmente satisfeito de uma forma irracional, a única forma que sentia-se satisfeito na vida. Todo o seu corpo vibrava, o prazer era tão grande que balançava os pés sem cansar pra manter-se na superfície sem se cansar. Quando o corpo doeu pelo frio que fazia, decidiu voltar, mas quando olhou para a praia, ela estava distante e uma névoa baixa ia convertendo-a em um ponto invisível naquela imensa massa azul. O corpo esfriou, os pés pararam de se mover, os braços penderam-se ao lado do quadril. Quanto maior o músculo, mais forte a dor da cãibra, e as panturrilhas de Léo pareciam dois mamões. Afundou em silêncio, e sonhou de novo. Sonhou que nadava em um lago escuro e podia respirar embaixo d’água. Sonhou que estava na praia e nadava em direção ao horizonte. Quando quis voltar, a praia estava perdida.
submitted by 999Luzeiro to literatura [link] [comments]


Procurando um namorado fiel *-* A procura de um relacionamento serio! Não gosto de risadas kkkk Filme HD 'JANE PROCURA UM NAMORADO' Dublado Amanda procura um namorado - YouTube Ela esta a procura de um namorado Mulher procura relacionamento sério hetero - Procura-se #06 A procura de um namorado,kkkkkkk Estou a procura de um namorado sou Maria tenho 57anos.. Mulher procura homem pra namorar... a procura namoro

KROOW A Procura De Namorado

  1. Procurando um namorado fiel *-*
  2. A procura de um relacionamento serio! Não gosto de risadas kkkk
  3. Filme HD 'JANE PROCURA UM NAMORADO' Dublado
  4. Amanda procura um namorado - YouTube
  5. Ela esta a procura de um namorado
  6. Mulher procura relacionamento sério hetero - Procura-se #06
  7. A procura de um namorado,kkkkkkk
  8. Estou a procura de um namorado sou Maria tenho 57anos..
  9. Mulher procura homem pra namorar...
  10. a procura namoro

Procurando um Relacionamento sério!!💑💕 - Duration: ... Em busca de um Namorado para minha Irmã - Duration: ... Ela esta a procura de um namorado 😂😂 - Duration: ... Jane é uma jovem mulher cheia de sonhos, mas alguns deles limitados pela complexa Síndrome de Asperger, uma condição rara que afeta a capacidade do indivíduo... A procura de um relacionamento serio! Não gosto de risadas kkkk - Duration: 1:58. Claudia Queiroz 68,318 views. ... A procura de um namorado pescador pra esta senhora - Duration: 0:04. Senhora de 90 procura por um namorado novo fazer amor e ser feliz - Duration: 1:47. ... A procura de um relacionamento serio! Não gosto de risadas kkkk - Duration: 1:58. Amanda procura um namorado - Duration: 1:00. Giovana giovana garrozi 943,207 views. ... 6 sinais de que ele quer um relacionamento sério - Duration: 11:39. Vanessa de Oliveira 501,755 views. Ela esta a procura de um namorado 😂😂 - Duration: 0:18. Vilma Farias 125,640 views. ... Me ajude arrumar um namorado para Any! E sério gente - Duration: 2:34. Apenas alguns minutos 120,183 ... Mas informações : 88 996227326. The BEST OF Softpops 2015 for 2018! Dr Pimple Popper - Duration: 23:27. Dr. Sandra Lee (aka Dr. Pimple Popper) Recommended for you Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube. Me ajude arrumar um namorado para Any! E sério gente - Duration: 2:34. Apenas alguns minutos 117,836 views. ... Ela esta a procura de um namorado 😂😂 - Duration: 0:18. Vilma Farias 123,853 ... A procura de um relacionamento serio! Não gosto de risadas kkkk - Duration: 1:58. ... Ela esta a procura de um namorado 😂😂 - Duration: 0:18. Vilma Farias 97,217 views.